segunda-feira, 28 de fevereiro de 2011

Antonio Gamoneda (V)

A beleza
não proporciona sonhos doces; derrama-se
na insónia azul do gelo
e na matéria do relâmpago.

Em cal viva, em
lâminas queimadas,
gira sem descanso; a sua
perfeição é a vertigem.

A beleza não é
um lugar onde os
cobardes vão parar.

Viva em sua luz
o meu pensamento. Quero
morrer em liberdade.

Antonio Gamoneda, Sublevación inmóvil, 1953-59 e 2003.
- tradução minha -

Sem comentários: