quinta-feira, 5 de setembro de 2013

Entra o rio pela janela e a noite húmida de horizontes enche a casa de aluimentos. Entra o rumor do mundo e o halo tenso dos astros. Tenho a casa suspensa do apagamento, os pés indecisos no umbral. Espero até que enraíze a exaustão.

Sem comentários: