sexta-feira, 3 de julho de 2009

O vento soprado como sangue

X

Não é como se a mão hesitasse no gesto fundador.
O movimento espera que um astro se incendeie
em todos os tendões
para que nenhuma palavra seja o frio nexo da loucura
ou o vento soprado como sangue.
Uma pedra sobre a boca pode ser o único sustento
para essa fome.
Mas a mão que escreve avança como faca
arrancando à garganta o seu êxtase carbonizado.
A violência é a religião de Deus.



[Estará em breve disponível o livro de poesia
O vento soprado como sangue, com a chancela da Cosmorama e posfácio de valter hugo mãe. A belíssima foto da capa é do fotógrafo Antoine Pimentel. O livro pode já ser encomendado através deste link. Haverá uma sessão de apresentação em Alpiarça em data e local a anunciar.]

7 comentários:

Olinda disse...

Parabéns!

Filipa Epifânio disse...

Muitos parabéns por mais esta conquista!
Boa sorte!

Silent Raven disse...

Parabéns! Espero que seja um sucesso.

Meca disse...

Finalmente João! Desejo muita sorte neste teu percurso.

Goreti

Ana Patudos disse...

"Quando o Homem sonha,a obra nasce"

João, continua a sonhar e a fazer nascer as tuas obras, para nos deliciar-mos a ler.
Parabéns
Ana Paula

BBB disse...

grande João...

Sempre a marcar pontos...

Grande abraço de Letras..

SLB Alverca SLB

Maria Gomes (Galiza) disse...

Muitos parabéns João! vou encomendá-lo! ;)
Saudades....