sábado, 21 de julho de 2012

Yannis Ritsos (IV, V e VI)

Ela viu o belo ladrão
saltar
pela janela
Desde então
deixa a porta
escancarada
As jóias que sobraram
num lugar visível
Ele nunca regressou

Atenas, 9-5-78

*

O que deste
o que perdeste
o que te foi negado
pertence-te
Ergue a cama
pega nas tuas asas
caminha

Atenas, 19-5-78

*

Quando inalaste o perfume
de uma rosa
cresceste meio metro
agora não cabes
na porta
a noite veio
arrefeceu
apareceram as estrelas
os lobos vieram

Atenas, 29-2-80


Yannis Ritsos
- trad. minha a partir da versão em inglês de Manolis

sexta-feira, 20 de julho de 2012

Yannis Ritsos (III)

Assassinos Fictícios

Esta mulher – nem sequer sei como se chama – Catarina? Eurídice?
Agride-me roça a faca pelo meu pescoço
Sei que é uma faca de papel
Finjo estar morto entreabro os olhos
Vejo melhor assim
De noite levanto-me vou à loja do ferreiro com as suas ratazanas
Acendo a fogueira atiço-a com os grandes foles da igreja
Preparo as quatro ferraduras o cálice fundo
Afio a grande faca de dois gumes e entrego-lha
Pela mão secretamente voluptuosamente por baixo da almofada
 

Atenas,  4-5-71

Yannis Ritsos
- trad. minha a partir da versão em inglês de Manolis

terça-feira, 17 de julho de 2012

Yannis Ritsos (II)

Consequências Desconhecidas 

Durante anos e anos ele ansiou ele despiu-se
diante de grandes e pequenos espelhos
diante de cada janela ele ensaiou cuidadosamente
uma e outra pose tentando decidir-se inventar
aquela que lhe fosse mais natural para que ele se tornasse
a estátua perfeita de si mesmo – ainda que soubesse
que as estátuas são frequentemente feitas
para os mortos e ainda mais frequentemente
para algum deus irreal e desconhecido 


Atenas, 17-3-71

Yannis Ritsos
- trad. minha a partir da versão em inglês de Manolis

segunda-feira, 16 de julho de 2012

The suffering

The suffering - música: Miguel Fernandes / letra: João Moita
* com a participação especial de João Salcedas no saxofone 


When it came, the suffering,
We went play with kites and knifes and plums immature
If you saw us drifting…  

Souls are resenting the lack of moss,
lack straws,
Alertness…
Combine the loss
We’ve been so gross
Feeding love
We can’t bear it

Suffering,
glistening
Our dreams crack the surface of time
When it came,
the desire,
We played with the hunger of hearts

When you took us to the woods
To sparkle fast so it won’t root
The lack of moss and the lack of straws
Bruised our backs and kept us alert
The kites are high, the knifes are kin
You wouldn’t see it from here
You see it’s cold cold cold down here
But suffering has made it clear
You saw it coming

The plums are rotting outside
As we watch the nights go by
Father left us untied
Mother didn’t even asked why
The plums are out in the dew
As you see we haven’t got you
And suffering got us trough

We’re sorry to hear you got lost somewhere in time
But try now to rely on suffering

quinta-feira, 5 de julho de 2012

Yannis Ritsos (I)

Infantil

No pequeno porto o mar reproduz
as folhas as nuvens e os pássaros
como se caligrafasse extremosamente -
de tempos a tempos o vento enfatiza os seus
erros com espessas linhas de luz azulada

Mas aquele que escreve todo o dia olhando o mar
não comete erros - minha amargurada serenidade -
e em silêncio aguarda sempre que o amor
enfatize o seu coração - o único erro

Yannis Ritsos
- trad. minha a partir da versão em ingês de Manolis

quarta-feira, 4 de julho de 2012

Love's Resilience

Love's Resilience - música: Miguel Fernandes / letra: João Moita 


Like we would care to beseech you
Like we would try to amuse you
Like we would mention we swallowed

Sorry
We didn’t mean it
We’re shaking
Fearing your renovation
Now it’s time of the getting closer
Closer

In a while you’ll make us smile
And ask for you not to tear the rope
Cause that’s how we broke free from hell

And loved you more much more than you could
Love with your resilience
Cause love ain’t partaking
Except for the making
Of the delusion, the fear and confusion
Of pain

Fearing for ourselves
Admitting that the thrill
Is what would get us apart from you

We’re just hanging in position
We are quitting love’s resilience
It hurts us so
That you would let us know
That we cannot be alone

Only if we could
Oh we know that we would
Alone
So close
To the meaning of the loneliness
We are meant to share