sexta-feira, 20 de maio de 2011

XXX

Aqui sou o que respiga o sangue.
É um estímulo nocturno,
a ínvia música nocturna dos meus dedos,
a água música nocturna do meu sangue.
Está uma paisagem deslumbrante retorcida pela água,
o rosto em chaga,
as mãos entradas na contenção.


de Miasmas, Cosmorama, 2010.

Sem comentários: